Coluna # Reflexões - Parte I

12:25


Raquel Pagno nasceu em Lages, SC, em 1982.

Entre suas publicações estão: Rubi de Sangue (Editora Òmega, 2011) Seablue (Editora Corpos, 2012) e Herdeiro da Névoa (Chiado Editora,2013). Ainda neste ano será lançado O Voo da Fênix (Editora Òmega).

Acadêmica correspondente da ALAF – Academia de Letras e Artes de Fortaleza, da ALG (Academia de Letras de Goiás) e da ACLA (Academia de Letras, Artes e Ciências de Vitória) e embaixadora da Divine Académie Française des Arts Lettres et Culture.





Pessoal, a querida da Michelle me convidou pra postar umas estórias aqui pra vocês na coluna Reflexões. Fiquei insegura, nunca coloquei nenhum texto para o público na blogosfera e nem sei muito bem como postar, etc. Com a ajuda da Michelle, vou trazer pra vocês um conto, chamado Asher, que escrevi há algum tempo. Segue o primeiro capítulo! Espero que gostem!


Asher

Capítulo 1

Muito antes do nascimento daquele a quem chamam Messias, eu tenho andado pela Terra em busca de vampiros. Não, logicamente eu não sou humano, mas eu já fui um dia...
É estranho perseguir os da minha própria espécie, e os vampiros têm se tornado uma praga difícil de controlar. Porém esta não é como todas as outras pragas, que a natureza se encarrega de varrer da face da Terra, ou que Deus, na sua infinita bondade, tenha tempo de extinguir.
Os Quatro Primeiros, como chamamos a primeira leva de vampiros, foram criaturas fugidas do Inferno. São anjos malignos que, de tão perversos, foram capazes de iludir o próprio Lúcifer.
Se me perguntassem como ou por que eu me tornei um caçador, confesso que não saberia muito bem como responder... são tantos os motivos... Poderia, quem sabe, começar pelo princípio, quando Adramelech assassinou a minha família, ou talvez pelo dia em que este mesmo monstro me tornou o que eu sou hoje, uma besta em forma de gente, um morto a caminhar entre os vivos. Mas, de fato, o motivo mais intenso, e talvez o único motivo real, tenha sido Kenora.
         Nunca imaginei que nesta minha vida imortal, porque convencionei chamar a esta condição, de vida, fosse capaz de amar. E como poderia, se minha vida humana foi roubada tão cedo, nem ao menos tive tempo de conhecer o amor. Passei séculos como um monstro sem alma, e principalmente, sem coração. Cada vez que me surpreendia olhando as mãos pálidas e endurecidas, imaginava como seria o meu rosto, pois não tinha sequer o privilégio de vê-lo refletido nas águas cristalinas do Eufrates, que contornava Ágade pela sua face esquerda.
         Foi em um momento de extremo desespero que ela apareceu. O cheiro doce do seu sangue despertou em mim o mais ansioso desejo, e quis agarrá-la, sorvê-la em um único gole, como um animal sedento em frente a um oásis. Mas me satisfazia prolongar o prazer de cada refeição, controlando minha sede, envolvendo minhas vítimas em devaneios fantásticos, em sonhos, enquanto elas me saciavam a sede.

Kenora era diferente dos outros humanos. Ela era doce demais, inocente demais. Eu jamais reconhecera em nenhum outro ser, humano ou não, uma mísera fração da pureza que habitava Kenora quando a envolvi em meus braços. Foi aquele momento, exatamente aquele momento que guardei através dos séculos, como se o tempo houvesse parado e se recusasse a passar. Kenora inverteu nossos papéis, tornando-me sua presa e ela, meu guia para sempre.

Raquel Pagno
www.raquelpagno.com      


You Might Also Like

10 leitores apaixonados❣️

  1. Parabéns pela iniciativa Mila, adoro contos, tenho vários livros assim! Gostei bastante desse, quero ler o restante, bjus

    www.passaporteliterario.com.br
    http://dailyofbooks.blogspot.com.br
    http://movimentodolivro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Fe! Adorei o conto da Raquel, estou igual a vocês,esperando o próximo capítulo...hehehehe

      Beijinhos

      Excluir
  2. Meu Deus, que conto legal !!
    Parabéns Mi, pela iniciativa e parabéns a autora !!
    Adoro contos !
    Quero ler o restante!!
    Beijos
    http://umsonholiterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Adorei o conto, Mi!!
    E o fato de agora teres um blog =) Fico super feliz, te desejo muito sucesso.

    Beijos,
    alanahomrich.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Fiquei com muita vontade de ler o conto!Amo histórias assim,também te parabenizo pela iniciativa!!!
    Parabéns a Raquel que é a autora desse conto que despertou em mim,a vontade de ler!rsrsrs
    Bjs...
    www.vaidosaseinteligentes.com.br

    ResponderExcluir
  5. q perfeito!

    Beeijos
    http://fabulousgirlbr.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Raquel gostei muito do seu conto, sou sua fã e estou curiosa pela continuação, não acredito que vou ter que esperar até sexta que vem, Beijos.
    http://cristina-de-azevedo.webnode.com

    ResponderExcluir
  7. Olá Mi,
    adorei essa coluna.
    E mais ainda o conto.
    Beijinhos
    http://www.eraumavezolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Quero a continuação!!!!!
    Não canso de amar o teu blog!
    Beijos.

    http://petitmaketherapy.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi Raquel, nem precisa se envergonhar, na verdade, mesmo com vergonha, continue escrevendo e nos postando!
    bjs, Rose.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Instagram

Assine

Follow

Linke-nos

Blog Canteiro de Obras Literárias