No Meu Mundo...

10:00


Pessoal, segue o mini capítulo do segundo conto de Asher.

Boa leitura!  ;)

Capítulo 2


Na primeira tentativa, meu faro me levou ao norte da Assíria, atrás de um odor quase tão tentador quando o do sangue de Kenora. Quanto mais pro norte eu rumava, mais meu apetite era aguçado pelo cheiro e mais animalesco eu me tornava, apenas um predador em busca de uma caça. Por mais sangue humano que eu tenha bebido pelo caminho, nada era capaz de me saciar enquanto meus sentidos eram tomados por aquele desejo que eu conhecia tão bem e do qual me privara por tanto tempo.
Efrat me seguia à distância. Não concordava com a minha intenção, temia por minha vida, mas como todo bom amigo, não se atrevia a deixar-me só. Ele farejava a minha ira tão bem quanto eu farejava o sangue dos bruxos. No terceiro dia, veio a mim e tivemos nossa primeira conversa, Efrat ainda tentando em vão me convencer a esquecer minha vingança. Não, eu não poderia.
— É suicídio, Asher.
— Pode ser que você esteja certo. Mas é preciso. Eu jurei. — e havia jurado a Kenora em seu leito de morte que eu a vingaria.
— Você jurou para alguém que não está mais aqui para cobrar. Não precisa carregar esse fardo pela eternidade. Temos o mesmo objetivo, no fim das contas. Mas só o alcançaremos quando tivermos um exército, forte o bastante pra lidar com os Quatro Primeiros.
— Nunca teremos um exército, Efrat. É uma ilusão pensar que nós, depois de tudo o que aconteceu, de todos os vampiros que matamos, ainda teríamos alguma chance de conseguir aliados. Uma bela ilusão, mas totalmente irreal.
Efrat apenas baixou os olhos e mirou o solo seco por alguns minutos, esfregando a barba com uma das mãos.
— Não posso impedi-lo de fazer o que julga conveniente, mas devo alertá-lo mais uma vez que os instintos também podem conduzi-lo a ruína.
— Eu confio nos meus instintos. E eu sei que me conduzirão até onde eu quero. Não é um palpite.

Depois daquele dia, Efrat afastou-se. Eu ainda podia sentir seu olhar sobre mim, ainda via, vez ou outra, o imenso cão branco cortando as planícies e as ribanceiras. Talvez fosse melhor assim, eu deveria assumir sozinho os riscos que minhas escolhas acarretavam. Esperava pela ajuda de Efrat, mas respeitaria sua escolha, ele preferia abster-se. Quem saberia o que era certo e o que era errado?

Mais em: www.raquelpagno.com    


You Might Also Like

0 leitores apaixonados❣️

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Instagram

Assine

Follow

Linke-nos

Blog Canteiro de Obras Literárias