Resenha # Segundo a Lei da Arma.

22:09

Boa noite amigos leitores. Como já é de costume e eu sei que vocês adoram, trouxe uma bela resenha de um livro parceiro para que possam conferir minha opinião sobre ele e claro, adicioná-lo a sua lista de leitura, porque se tem algo que estou tendo com livros ultimamente é sorte! Vamos lá então? Vamos!

O Corvo sobrevoava o deserto do Novo México. Atraído pelo chamamento do sangue, chegou a uma solitária montanha pintada em tons alaranjados. Abaixo, três figuras: um fora da lei, um ranger e um caçador de recompensas— três representantes do melhor e do pior que a espécie humana tem para oferecer— dançavam uma dança tão antiga como a própria existência: a dança da morte.
Texas Red. Filho perdido do povo Navajo e criminoso sanguinário, produto das tragédias que assolaram o seu povo.
Olhos-Azuis. Personificação estoica do velho oeste e da ideia de que as leis apenas existem porque homens poderosos asseguram a sua existência.
Forasteiro de Negro. Sádico e desprovido de quaisquer escrúpulos. Ele cospe na face das leis da sociedade e obedece apenas ao seu depravado e rígido código moral.
No final do dia, estes três homens demonstrarão que quando o homem despe as ilusões efémeras da sociedade apenas uma lei sobrevive— A Lei da Arma.
Quem olha a capa deste livro sem lê-lo com certeza não entende do que se trata, apesar da beleza aparente que ela tem, muito bem trabalhada e nos tons certos, apenas após a leitura se dá o entendimento do significado de todo o trabalho, pois não dá para negar, a capa é maravilhosa, principalmente quando se sabe todo o enredo e se entende que ela foi feita sob medida para Segundo a Lei da Arma.
O livro trata da vida de Texas Red, o bandido mais temido do Velho Oeste, índio descendente dos Navajo, vaga pelo Novo México em busca da liberdade do seu povo, incluindo a da sua família.
Quando a maldade ganha fama, ganha também certos problemas onde quem a espalha precisa carregar (ou dar o seu jeitinho), no caso de Red, seu carma é um Ranger, que passa a persegui-lo com o intuito de capturá-lo, vivo ou morto.
Nesta brincadeira de gato e rato, logo aparece um novo perseguidor, famoso Olhos Azuis, que por incrível que pareça (nem tanto), também está em busca de Texas Red.
Mas encontrá-lo é mais difícil do que parece, mesmo com tantos rastros de sangue deixados em seu caminho, o medo que os moradores da pacata cidade onde o fora da lei "se esconde" sentem, passa a encobrir suas pistas, afinal, ninguém quer abrir a boca para dizer uma palavra se quer sobre ele.
Assim, o Ranger e o Caçador de Recompensas precisarão correr contra o tempo e usar de suas armas para encontrá-lo o mais rápido possível e impedir que Red bote mais um de seus planos em prática.

É difícil saber quando vamos ou não gostar de uma leitura, há aqueles casos em que gostamos da capa/sinopse e não curtimos o conteúdo, assim como ao contrário, também tem aquele caso de surpresa, quando gostamos da capa, porém o livro não é de nosso gênero, mas ao abrir o miolo e ler a história a gente passa a amar e devorar com muito gosto e posso dizer: esse foi o meu caso.

Velho Oeste, Foras da Lei, Xerifes, Duelos, nunca foram muito a minha praia, principalmente se tratando das telonas, mas se eu pensava assim, depois de ler Segundo a Lei da Arma, eu não penso mais. Quer saber o por quê?
Com uma escrita simples (nem tanto para mim, pois estava em português de Portugal) e instigante o autor consegue nos prender do inicio ao fim, narrado por um corvo (isso mesmo que você leu), o que é totalmente inusitado, a trama se desenrola de uma forma claramente excitante. 
É uma trama cheia de aventura, mistério, suspense onde conseguimos sentir a tensão dos personagens e nos sentir como se estivéssemos dentro do livro, pois é, José escreveu o livro de uma forma tão cativante que não dá para não se sentir no deserto do Novo México, é incrível como conseguimos nos transportar para lá e a cada passo do personagem é como se nós leitores estivéssemos caminhando no lugar dele.

Aquilo que mais me chamou a atenção foi a forma diferente em que algumas frases foram colocadas como "Fica com o do Frank, diss'eu", algo que no começo dificultou um pouco meu entendimento, assim como o idioma diferente, contudo, nada pode estragar minha deliciosa leitura.

Não posso deixar de citar também a forma como imaginamos e vemos neste livro o modo em que os seres humanos viviam naquela época, que com certeza, foi bem longe do nosso tempo.

Se ação é o seu negocio, Segundo a Lei da Arma é o seu livro!

Ge Benjamim ♥

You Might Also Like

13 leitores apaixonados❣️

  1. Olá, agora entendi porque achei a sinopse um pouco esquisita, está em português de Portugal! Não sei se conseguiria ler um livro nesse idioma, deve ser batante confuso. Mas a história do livro è bem interessante e achei sensacional dele ser narrado por um corvo. Super combinou!
    Beijos,
    sigolendo.com.br

    ResponderExcluir
  2. eu amo filmes de faroeste e afins, então certamente essa leitura muito me chamou a atenção... farei o possível para solicitar quando puder, soube tem pouco tempo que o catálogo da chiado possui um livro com premissa tão maravilhosa...
    bjs :D

    ResponderExcluir
  3. Oiii Ge, como vai?
    Eu já li esse livro e também resenhei em meu blog e confesso que ele se tornou um dos meus favoritos ao longo desse tempo, do ano vamos ser mais direitos, e fico feliz em ler sua resenha e ver que também gostastes da obra.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Olá, gostei muito da sua resenha.Acho que ainda não li nada nesse estilo velho oeste, mas é um cenário que me interessa muito, pelo que já vi na tv e em filmes.

    ResponderExcluir
  5. Oi Ge, sim, ação é meu negócio, e como eu não conhecia o livro, achei muito legal a resenha para poder me situar no enredo. Espero que estas pequenas diferenças na escrita não me atrapalhem na futura leitura.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Também fiz essa leitura e simplesmente adorei!
    Apesar de nunca ter lido nada desse gênero antes, não consegui parar até chegar no fim. Quanto as abreviaturas e coloquialismos, por causa do português lusitano, acabam sendo um pequeno obstáculo mesmo, mas acho que nada que o Google não resolva! kkkk
    =)

    http://olhoscastanhostambemtemoseufascinio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá, o livro parece ser muito interessante, mesmo eu também não sendo uma garota que curte faroeste ele me chamou atenção, parece ser bem diferente de tudo que eu já li.
    Mas por ser em português de portugal fica dificil para mim, tenho aflição de ler livros nesse tipo de português, mas se acha-lo em português brasileiro com certeza lerei.
    bjs

    ResponderExcluir
  8. Oi! Ainda não li nada desse tipo, mas a capa me deixou intrigada. Assim como você disse ela não deixa claro o conteúdo do livro. E sua resenha fez o resto do trabalho: livro adicionado com sucesso na minha lista de leituras. :D

    ResponderExcluir
  9. Olá, mesmo eu tendo curtido bastante sua resenha, esse não é um liro que tenho muito interesse em ler. Mas valeu a dica!

    Abraços

    ResponderExcluir
  10. Aprendi a compreender a escrita portuguesa,na plataforma de leitura wattpad. Achei interessante do início ao fim. E a resenha foi tão boa que conseguiu prender muito a minha atenção rs esse livro sem dúvida é roteiro de filme viu rs muito boom.

    ResponderExcluir
  11. Não li este gênero de livro, porém me interesso muito para ler, talvez esse seja uma das opções para experimentar essa nova leitura.

    ResponderExcluir
  12. A capa é essencial para o bom entendimento da obra, deve ter alguma relação, além de ser bonita, claro. Eu já havia lido resenha desse livro e gostei, primeiramente, pelo título e capa, mas o enredo também convence o leitor a apreciar a obra, sem dúvidas.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Instagram

Assine

Follow

Linke-nos

Blog Canteiro de Obras Literárias