Entrevistando um Escritor: Amanda Ágatha Costa.

16:48

Olá meus amores ♥

Consegui uma entrevista incrível para estrear meu cantinho “Entrevistando um Escritor” aqui no blog e eu não podia deixar de abrir este espaço em grande estilo não é? 

Para começar arrasando, a entrevista de hoje é com a lindíssima Amanda Ághata Costa, autora de A Escolhida, primeiro livro da trilogia que vai fazer muito sucesso!




Antes de mais nada queria agradecer a maravilhosa Amanda por conceder um tempinho de sua vida corrida para esta entrevista e dizer que é impossível por em palavras o quanto eu amei desenvolver estas perguntas e ver você responde-las com tanto carinho.


Um pouco sobre a Amanda:
Ela nasceu em 21 de Outubro de 1993, numa pacata cidade do interior de Santa Catarina. Estudante de Pedagogia e amante das palavras desde a infância, jamais imaginou que um dia sua voz seria ouvida. Com papel e caneta em mãos, espera poder tocar as pessoas com suas histórias, fazendo-as vibrar e amar cada fragmento das mesmas. De todas as coisas do universo, se aventurar nos mares da fantasia é sua maior paixão. A trilogia A Escolhida é seu romance de estreia.

Um pouco sobre seu livro - A Escolhida:
Em uma cidade repleta de pessoas desconhecidas, Ari poderia ser apenas mais uma garota dispersa na multidão, como tantas outras que foram abandonadas pelos pais desde a infância. Devido à sua aparente doçura e beleza, ninguém seria capaz de supor que, além de um anjo, ela também é um demônio com sede de poder. Os espertos deveriam manter-se distantes, mas há olhares que não deixam de admirá-la. Egran não desperdiçaria a chance de apoderar-se de habilidades tão interessantes: ela é a escolha perfeita. Entretanto, nem todos se sentem realizados. O círculo seria um refúgio ideal para os demais feiticeiros, se o próprio líder não os tratasse como marionetes descartáveis. Movidos pelo medo e controlados pelo mestre, os componentes do grupo obedecem, sem pestanejar, às ordens recebidas. Ao se ver arrastada para lá, Ari se encontra diante de situações improváveis, arriscando-se a expor mais do que gostaria. Para ela, sentir é algo que sempre esteve fora de seus limites. Não poderia vivenciar qualquer forma de emoção, esta era a promessa. Até que Luke surge em seu caminho e abala as estruturas congeladas, derretendo-as e modelando novos conceitos. O amor realmente fará brotar a alegria? Ou irá arrastá-la diretamente para a morte? O passado obscuro de Ari será o suficiente para fazê-la estilhaçar de uma vez por todas, não restando oportunidades para uma nova tentativa de se isolar do mundo.


Como já deu para ver, este livro é incrível e vai ser um super sucesso!

Quer conhecer um pouco mais sobre a autora, o livro e sua história arrebatadora? Então vamos nessa!
  • Primeiramente, fale um pouco sobre você:
A Amanda é uma daquelas pessoas que poucos conseguem entender, mas definitivamente, não por falta de interesse dos que querem conhecê-la melhor. Ela é imprevisível e introvertida. Ama os detalhes, e acredita que existem histórias por trás de coisas que geralmente são deixadas para lá. É nas palavras que ela encontra um pouco de paz e toda a sua voz. A Amanda sempre se mantém ligada às pequenas demonstrações, pois geralmente elas são as maiores. E falo como se fosse outra pessoa, porque existem duas versões da Amanda: assim, como há duas versões da Ari. Não que as duas partes não sejam semelhantes, mas existem dias em que eu sou mais uma, do que a outra. O que nunca muda é a esperança. A persistência. Lutar, independente qual seja a batalha da vez, é o meu ponto mais característico. Eu não espero que a vida aconteça, se eu posso fazê-la acontecer.
  • Quais são seus maiores sonhos? E suas maiores vontades?
Falar de sonhos é quase tão complicado quanto falar de planos; ambos caminham juntos, mas são coisas completamente diferentes. Porque quando planejamos, estamos optando por fazer algo. Já quando sonhamos, momentaneamente, é apenas um desejo. Posso dizer que eu sou feita de sonhos, e acho que não existe algo no mundo que nos forneça mais esperança. Acreditar é o início de tudo. É a chave para as respostas. No momento, o meu maior sonho é o de terminar a trilogia com sucesso. Ter um público leitor fiel. Me inserir no meio literário como uma escritora que tem potencial, e ter a chance de entrar para alguma editora daqui alguns anos. O meu maior plano, no entanto, é manter os pés no chão e me dedicar integralmente a cada volume. Deixas as coisas acontecerem no seu devido tempo, e torcer para que tudo ocorra bem. O resto é apenas consequência.
  • Você sempre quis ser escritora ou tinha algum outro sonho/objetivo na vida?
Existe algo que eu sempre vou dizer: não se escolhe “ser escritor”. Acontece com naturalidade, e quando você percebe que quer mergulhar nisso, é como se: caramba, eu realmente vou fazer isso? E aí você faz. Eu escrevo há alguns anos, já que a escrita sempre funcionou como um refúgio durante a adolescência. Mas nunca pensei em levar isso para frente, em tentar publicar um livro, ou me dedicar a uma carreira literária. No máximo, eu pensava em postar alguns textos em blogs. Construir uma história e deixá-la falar por mim está sendo uma experiência fantástica. Não quero mais nada na vida. Compartilhar os meus sentimentos é o que quero fazer.
  • Quais são seus escritores/livros/gêneros favoritos? Por quê? E o que eles significam para você?
Quase enlouqueço quando tento nomear quais autores e livros fizeram diferença na minha vida, porque é difícil citar apenas um. Ou dois. Dá logo vontade de mencionar uma porção deles. Acho que tudo o que lemos, interfere diretamente e nos modifica ao longo do tempo. Todos nós somos instáveis nesse sentido. Jojo Moyes, Colleen Hoover, Carlos Ruiz Zafón, Meg Cabot, Cassandra Clare e infinitos outros, me encantam com suas escritas. Acho que cada um defende o seu estilo de forma diferente, mas surpreendem sempre. Gosto muito de todos os gêneros, do New Adult ao Young Adult, e pulo logo para um Chick-Lit, sem problema algum. Histórias fantásticas, como a temática que o meu livro aborda, estão entre os favoritos ♥.
  • No que começar a escrever afetou em sua vida?
Caramba, a escrita na minha vida se resume em uma só palavra: tudo. Escrever, como eu disse anteriormente, foi uma válvula de escape pra mim. Na adolescência, passei por situações que me fizeram sucumbir várias vezes e era por meio dos meus textos que eu exprimia todas as frustrações. Todos pensam que a liberdade é uma questão de controle físico, mas não existe nada melhor do que soltar as palavras que te sufocam. Essa é a maior liberdade, entre todas elas.
  • Quem te inspirou a seguir este caminho?
Inspirações sempre vieram de autores que eu lia, e de histórias pelas quais eu me apaixonava. Ser lida é um grande desejo. Acho que não existe algo mais lindo, do que a sua própria voz se tornar a voz de outra pessoa, por intermédio do que você escreve. É como se todos se conectassem e sentissem ao mesmo tempo, o que antes, só era sentido por uma pessoa. É incrível.
  • Quais livros/escritores são suas maiores influências?
A trilogia Peças Infernais, da autora Cassandra Clare é uma grande referência pra mim. A Sombra do Vento, do autor Carlos Ruiz Zafón, também me influencia muito. Colleen Hoover não fala do sobrenatural em suas histórias, mas os dramas da autora são os melhores. A trilogia Métrica é uma das minhas favoritas. Bem como, os livros que abordam sobre anjos caídos: como a série Hush, Hush, da autora Becca Fitzpatrick, e Fallen da Lauren Kate. Uso as duas séries como motivação; os pontos que quero abordar, e o que não quero que apareça na história da Ari. Livros sobre anjos e demônios costumam apelar para o mesmo ponto, e não pretendo fazer o mesmo com A Escolhida.
  • De onde surgiu a história de seu livro? E seus personagens? São inspirados em pessoas ou fatos reais?
A história do livro surgiu de forma surreal, pois disparou em minha mente, como se exigisse um pouco de atenção. Enquanto não comecei a pôr no papel, não consegui descansar. Ela foi se moldando sozinha, tomando um rumo que nem eu imaginava. O segundo livro está sendo escrito, mas já sei o final da trilogia desde o começo. Sobre meus personagens, grande parte deles são inspirações de pessoas que já conheci. Eu coloco muito do que eu penso e sinto, na voz da Ari, e quem me conhece vai conseguir perceber as semelhanças que eu e ela temos. Assim como o Luke, que foi inspirado no meu namorado, a Vincy que é a cópia feita de uma amiga de colegial, entre tantos outros. Trago muitas das minhas vivências para dentro da história, e acho que isso é o que traz um toque de realismo, mesmo em um ambiente fantástico.
  • Como é ser escritora? E como você percebeu que era neste gênero que você escrever seu primeiro livro?
Ser escritora é um misto de emoções muito forte: você chora, e ri, e fala sozinha como se ninguém te achasse a maior esquisita por fazer isso. Eles acham, mas você continua fazendo, do mesmo jeito. Eu acho uma delícia, e tem sido muito gratificante. O gênero fantástico além de ser abrangente, é realmente fantástico. Não existe outra palavra que defina algo tão incrível, quanto à possibilidade de criar o mundo que você quiser. É uma opção que poucos gêneros te oferecem. Eu adoro romances, em geral, e é por isso que eu quis inserir um pouco de drama no meio disso. Penso que é uma mistura de vários gêneros em um só livro, e todos poderão usufruir o que a história oferece. Espero que todos se permitam a sentir.
  • Você se identifica com algum de seus personagens? Se sim, Qual? E Por quê?
Eu diria que me identifico com todos, porque cada um deles tem um pouco do que eu sou. Mas, se fosse pra mencionar apenas um, seria a Ari. Eu e ela somos praticamente iguais, tirando o fato de que ela é uma assassina, e eu não consigo matar nem uma barata. O passado da personagem é doloroso, e ela perde uma das pessoas com quem mais se importa ainda na infância. Eu perdi minha avó para o câncer quando tinha seis anos, e isso me marcou pra vida inteira. O que mais posso dizer? Ela se faz de durona, mas é mais sensível do que muitas pessoas. Sem contar que no começo a Ari não se permite a sentir, e durante um bom tempo, eu me fechei pra todos. Por conta de decepções, me isolei por alguns anos e só deixei o muro de resistência cair quando conheci meu namorado. Ele é, pra mim, como o Luke é pra Ari. Acho que parte da minha vida pode ser compreendida através das atitudes da protagonista. Estou ansiosa para saber o que vocês vão achar dela.
  • O que mais gosta em sua própria história?
Falar de uma história que você criou, é quase como falar de um filho. Eu sinto muito orgulho do que o livro se tornou. Gosto muito do romance entre a Ari e o Luke, mas mais do que isso, admiro o passado da Vincy e do seu irmão. Eles também passam por situações terríveis, e se mantém firmes. A Ari sente as coisas de uma forma diferente, e é através dos assassinatos que desconta a raiva no mundo. Os outros dois não fazem nada disso, e continuam a caminhar de cabeça erguida. Acho a amizade entre a Tyla, a Lana, e as outras garotas, também um ponto muito forte e especial. Nós precisamos de boas pessoas ao nosso lado. É basicamente disso que A Escolhida fala: que não devemos depender de ninguém, mas que devemos somar nossas forças, e sempre… Sempre, deixar o perdão entrar no coração. O amor é a maior magia do mundo inteiro.
  • Como foi o processo de criação de seu livro?
A criação aconteceu com facilidade, porque como eu disse, a história disparou inteira na minha cabeça. O desenvolvimento da história foi tão natural quanto respirar. Eu senti mais dificuldade nas revisões que vieram depois, porque o processo de escrita não é nada, quando comparado com o processo de seleção das ideias. É preciso dosar bem cada ação, cada fala, e tomar o cuidado de prender o leitor, soltando as informações aos poucos. Se falhar em um só tópico, a história pode desandar completamente. Tomei muito cuidado e tive total preocupação com essa parte.
  • Qual a sensação de ver seu livro quase pronto?
Alívio e nostalgia me definem nesse momento. Muita coisa está acontecendo ao mesmo tempo, com o bombardeio de sentimentos por estar terminando uma história que, de princípio, eu deixei de lado. Não existe nenhuma palavra que possa descrever o quanto estou feliz por não ter desistido da Ari, por não desistir do Círculo, por não desistir de mim mesma. O livro pronto será apenas a prova concreta de que todo sonho é possível, quando arregaçamos as mangas e lutamos com unhas e dentes. É bobagem pensar que sem persistência as coisas acontecem. Elas só se tornam reais, se quisermos torná-las reais.
  • O que você sente vendo o quanto seu livro mesmo antes de lançar já faz tanto sucesso?
É uma loucura tão deliciosa, que se for sempre assim, quero ser louca pela eternidade. Os leitores têm sido extremamente receptivos com a história, antes mesmo de o livro ser lançado, e eu não sei ao menos retribuir tanto carinho. É maravilhoso saber que há pessoas que apostam em você. Que estão segurando sua mão, pro que der e vier. A minha ansiedade se torna ainda maior quando penso nisso; é por isso que estou lutando para entregar uma edição impecável, em todos os detalhes.
  • E em relação à quantidade de fãs que você tem como se sente? Tem algo que gostaria de dizer a eles?
Fãs. Essa palavra soa como? Surreal demais! Eu sou uma pessoa tão comum, e existem pessoas tão queridas que chegam pra mim, e me tratam de um jeito lindo. Vocês, leitores, é que são incríveis! Eu não chegaria até aqui, com tantos pedidos pela pré-venda e torcendo para que o livro seja um sucesso, se não houvesse tanto amor em torno disso. Vocês é que são os responsáveis por fazer desse, um dos melhores anos que já tive. Obrigada, obrigada, obrigada!
  • Pensa em continuar escrevendo? Se sim, já tem alguma idéia do seu próximo livro?
O que eu não penso é em parar de escrever. Nunca vou parar. Por enquanto, o meu foco vai ser terminar a trilogia. Além dos três volumes, haverá um livro bônus, contando como surgiu o círculo e o passado do Luke, pela visão dele. Acredito que até 2016, eu estarei me dedicando somente a isso. Entretanto, posso adiantar que já existe outra história fervilhando na minha mente. Assim que terminar A Escolhida, vou amar escrever sobre esse novo mundo.
  • O que você espera para depois do lançamento? Quais suas expectativas?
Eu não espero muita coisa, além de receber um retorno positivo. Acho que isso é o que todo autor espera de sua obra; que ela seja bem aceita pelo público. Eu torço para que todos sintam o que a história fornece, e que levem muito do que está ali, para suas próprias vidas. Minha ansiedade para ver a reação dos leitores está sendo asfixiante. As expectativas são muito altas, mas estou tentando manter os pés no chão. O que vier será bem aceito.
  • Espaço livre:
Em primeiro lugar, eu gostaria de agradecer à você, Gê, por esse convite tão bacana. As entrevistas são sempre incríveis, e eu fiquei apaixonada pelas perguntas feitas. Amei responder cada uma delas. Muito obrigada por ceder o espaço para falar um pouco mais sobre mim e a respeito da obra. Gostaria de convidar os leitores do blog para que conheçam a página oficial da trilogia no Facebook, o livro que está também no Skoob, e já adianto sobre a pré-venda que estará acontecendo entre os dias 03/11 até 03/12. Os exemplares, a princípio, só poderão ser adquiridos através dessa pré-venda. Então, corram para garantir o seu e se tornem novos escolhidos. Que todos façam boas escolhas, e lembrem-se: o seu destino está em suas mãos.

Foi magnífica, não foi? Pois é, a Amanda é mesmo um amor e eu como muitos estou doida para adquirir o livro. Já me sinto até uma de suas"escolhidas".

Adquira o seu aqui:


Gostou? Quer saber mais? Ou então aqui estão alguns links onde você poderá buscar mais informações.


Pagina Oficial da Trilogia no Facebook:



Pagina do Livro no Skoob:



Instagram da Amanda:



E é claro que não podia faltar o link para você adquirir um exemplar de A Escolhida.

http://www.editoraarwen.com.br/
http://amandaagcosta.com.br/


Vai ficar fora dessa? É claro que não né? Então corre e leve sua Ari para casa!

E pela milésima vez. Muito Obrigado Amanda!




You Might Also Like

13 leitores apaixonados❣️

  1. Essa autora é mesmo muito gentil e fofa nas palavras. Gostei da entrevista. Ainda não li seus livros, mas pretendo conhecer A Escolhida em breve (tenho-o em e-book faz alguns meses, só me faltou tempo para prestigiá-lo). Eu gostei das respostas dela sobre como se vê enquanto autora e suas inspirações para escrever. Parabéns pela entrevista! Desejo sucesso ao blog e à Amanda.

    Beijos!
    http://www.myqueenside.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oláa
    Caramba, que legal ler sobre alguém que está começando agora.
    Eu escrevo faz um tempo e as vezes penso em acabar meu livro kkkk mas a vida não me deixa terminar ele. Faculdade e estágios tomam todo meu tempo, tanto que passei um tempão sem escrever rsrs. Sei bem como é usar a escrita como válvula de escape, é libertador, uso até hoje.
    Muito legal a entrevista, gosto de ver como é a vida de um autor iniciante, espero que um dia as pessoas leiam as minhas coisas também.
    Beeijos, até mais!

    ResponderExcluir
  3. Ainda não conhecia a autora e desejo todo o sucesso do mundo para ela. Adorei a resposta dela sobre não escolher ser escritor, realmente acredito que acontece quando se tem talento!!!
    Amei conhece-la aqui!!!
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá
    Eu amo a Amanda, apesar de nunca ter lido a sua obra. Tenho grande ontade de começar a ler o livro, mas vou me planejar direito para comprar o livro e lê-lo o quanto ante. Adoro entrevistas, pois mostra o quanto os autores são atenciosos com os seus públicos. E da Amanda eu não poderia esperar cosia diferente. Adorei ler tudo é mais um pouco sobre a vida dela e de seu livro. Até mais vê
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Olá Ge,
    Eu tenho o livro da autora em meu app do Kindle e morro de curiosidade para ler o livro. Adorei conhecer um pouco mais sobre a criadora da obra. Acho que escrever é algo natural mesmo, como ela disse, não dá para escolher seguir isso como profissão, pelo menos eu acho. Gostei de saber que a escrita mudou tudo na vida dela e que ela está focando em terminar a trilogia.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  6. Oie,
    Jpa tinha visto o livro em alguns blogs e no site da editora. Tenho curiosidade de ler ele.
    Adorei a entrevista com a autora, adoro essa interação, as vezes ele ela quem mais me incentiva a ler o livro de determinado autor.
    Com certeza esse livro é uma realização para a Amanda e espero que faça o sucesso merecido.

    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Oiee ^^
    Fiquei muito feliz quando cheguei no estande da editora Arwen na bienal e a Amanda estava lá ♥ consegui enfim conhecê-la! Estava de olho no livro dela já fazia um tempão, mas ainda não consegui lê-lo. Parece ser uma história incrível, vi coisas muito boas a respeito de "A escolhida". Espero que a continuação (as continuações, aliás) sejam lançadas logo...haha'
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Gostei muito dessa entrevista! Ainda não conhecia a autora e nem sua obra, gostei um pouco de saber sobre seus sonhos e suas paixões, nos faz ficar mais perto da obra e ter uma ligação maior.
    Beijos.
    https://arsenaldeideiasblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  9. Oi!
    Não conhecia a autora nem o livro, mas me interessei demais pela premissa.
    Adoro livros fantásticos e gosto do tema anjos x demônios. E super adorei saber que algumas da inspirações dela são a Coollen Hoover (que eu amo demais!) e o Zafón! Realmente são autores ótimos.
    Adorei a entrevista. Parabéns!!!
    Bjss

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Eu tenho o livro da Amanda, ganhei em um sorteio de um evento, mas confesso que ainda não li por conta da quantidade de páginas, rs.
    A autora é uma fofa, né?! Super simpática!
    Adorei saber que ela tem Jojo Moyes e Meg Cabot entre os escritores favoritos dela e Hush Hush como influência!
    Amei conhecer mais um pouco sobre ela e desejo todo sucesso do mundo!
    Vou ver se tomo vergonha na cara e leio o livro logo xD
    Ótima entrevista!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Olá! Eu não conhecia a autora. O livro me chamou atenção, parece ser incrível. A Amanda está certinha em não espera que a vida aconteça, e sim faz acontecer. Tomara que ela consiga terminar a trilogia com sucesso. Também adoro Jojo Moyes e Meg Cabo. Adorei conhecer a autora. Beijos'

    ResponderExcluir
  12. Oie.
    Adoro minha chará, essa moça é um amorzinho e sempre fico feliz em ver o quão empolgada ela fica com seu trabalho sendo reconhecido.
    BJokas

    ResponderExcluir
  13. Olá, tudo bom?
    Não conhecia nem o livro nem a autora, mas, gostei muito de saber um pouco sobre ela! Simplesmente amei saber que uma das inspirações dela é o Zafón <3 Enfim, adorei as respostas e a entrevista! Muito sucesso a ela e ao blog, que abriu esse espaço tão legal, que nos faz conhecer mais autores!

    Beijos!
    @PollyanaCampos
    Entre Livros e Personagens

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Instagram

Assine

Follow

Linke-nos

Blog Canteiro de Obras Literárias